Pombos

Uma das aves mais comuns nos centros urbanos e áreas rurais são os pombos que também é conhecida também como uma espécie de pombo doméstico e/ ou pombo comum.

Os pombos são originários de regiões da África e Eurásia (limites entre a Europa e a Ásia) e graças a sua facilidade de adaptação aos mais diversos tipos de ambientes, a espécie está presente em diversas regiões do mundo.

Apesar de existir certo alarmismo exagerado em relação aos pombos, os mesmos podem transmitir diversas doenças.

Conheça mais sobre os pombos a seguir e se informe!

Pombos
Foto: Reprodução.

Onde vivem os pombos?

Como mencionado anteriormente, eles possuem grande capacidade de adaptação ao meio ambiente e, por isso, conseguem viver com facilidade em diversos tipos de ambientes ao redor do mundo.

Apesar de ser muito comum em áreas urbanas, também é possível que sejam encontrados e vistos em áreas rurais que estão localizadas próximas às cidades.

Eles, geralmente, estão conseguindo viver em forros de casas, torres de igrejas e em prédios.

Qual é o predador natural dos pombos

Qual é o predador natural dos pombos

O principal predador natural dos pombos são os gaviões. Entretanto, não há muitos nos centros urbanos e isso faz com que a espécie permaneça relativamente segura.

Também há outros predadores comuns dos pombos são: falcões, gambás, corujas e guaxinins.

Já no que se referem aos ovos dos pombos, estes são ameaçados por gatos (domésticos ou selvagens) e podem ser capturados também por corvos e gaivotas.

Quais as doenças que os pombos transmitem

Quais as doenças que os pombos transmitem

Os pombos são considerados um grande problema ambiental, isso porque danificam monumentos com suas fezes, compete alimento com espécies nativas e se reproduzem rapidamente.

Além disso, a espécie pode ser considerada um risco a saúde pública, visto que podem transmitir mais de 50 doenças ao ser humano, sendo as principais (segundo informações do Ministério da Saúde):

Criptococose

é uma doença fúngica que pode causar lesões em diversos tecidos e órgãos.

Um agravante é que a mesma pode chegar ao pulmão e produzir lesões semelhantes as da tuberculose, inclusive, o diagnóstico é dificultado por esse fator.

A contaminação ocorre por meio da inalação dos fungos que ficam nas fezes dos pombos;

Histoplasmose

É também uma doença causada por fungos e a contaminação ocorre por meio da inalação das fezes.

A histoplasmose se manifesta de forma muito semelhante a uma gripe forte, porém, tem como grande agravante ter a capacidade de espalhar no corpo uma grave infecção.

Salmonela

É uma doença causada por bactéria e tem como principal característica se alojar no estômago e demais órgãos do sistema digestivo.

Os sintomas da salmonela são enjoo agudo, dor forte na região abdominal, febre e diarreia.

A contaminação se dá pela ingestão de alimentos contaminados com as fezes dos animais.

Ectoparasitas

É uma doença que ocorre na pele, é conhecida também por “piolho de galinha”, sendo causada por ácaros e causa intensa coceira.

Um agravante é que o ácaro pode carregar outras bactérias que se alojam na pele e facilmente se espalham pelo organismo, inclusive, a bactéria riquétsia (que causa o tifo).

Há ainda estudos que apontam um risco potencial dos pombos transportarem o vírus da gripe aviária.

Conforme estudos científicos, os pombos possuem um organismo capaz de agravante susceptível de possibilitar mutações do vírus, sendo capaz de torná-lo o vírus da H1N1 ainda mais perigoso aos seres humanos.

Onde vivem os pombos

Como o pombo veio para o Brasil

Eles vieram para o Brasil no período da colonização do país, junto à monarquia portuguesa.

Na época, os portugueses utilizam os pombos em competições de tiro e único meio de comunicação entre Portugal e Brasil, bem como as pessoas que precisavam trocar correspondências e informações.

Desse modo, a espécie dessas aves era compreendida e até aceitas na sociedade como pombos-correios.

Logo, é justamente por isso que países que foram colonizados por Portugal possuem uma quantidade considerada significativa de pombos em seu ambiente.

Como o pombo veio para o Brasil

Características

Como características, possuem:

  • A fêmea é menor do que o macho;
  • Medem em torno de 30 centímetros de comprimento;
  • Pesam cerca de 300 gramas;
  • Os machos e as fêmeas possuem aparência semelhante;
  • Possuem corpo de cor branca ou acinzentada;
  • São monogâmicos;
  • Nos centros urbanos, tais aves vivem cerca de cinco anos, enquanto que em ambiente silvestre podem chegar a até 15 anos.

E mais, os pombos possuem capacidade de gerar voo que atingem velocidade de até 80 quilômetros por hora.

Por sua vez, podem percorrer uma distância que chegam a até 315 quilômetros por dia, sendo que possui uma das melhores e mais avançados sistemas de orientação se comparado com outras aves.

Uma prova dessa característica é que o pombo pode construir seu ninho ou pombais numa distância de 100 quilômetros de distância.

Além disso, possuem a capacidade de detectar sons e ruídos que nenhum animal possui esta habilidade.

Como se alimentam e reproduzem

Como se alimentam e reproduzem

Os pombos se alimentam de grãos e gostam, principalmente, de: trigo, cevada, aveia e milho.

Entretanto, como não possuem tais alimentos nos centros urbanos, eles comem também restos de lixo e qualquer tipo de comida que encontram nas ruas.

No que refere à reprodução, os pombos atingem sua maturidade sexual aos 03 meses de idade.

As fêmeas conseguem colocar de 01 a 02 ovos por ninhada e são capazes de ter até 06 ninhadas por ano, sendo que o tempo de incubação é de apenas 20 dias.

Contudo, apesar dos pombos trazerem prejuízos econômicos e riscos a saúde não é permitido que os mesmos sejam mortos, de acordo com as instruções do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA).

Sendo assim, se tiver problemas com o animal, o recomendado é que se procurem profissionais que possam te ajudar deixar o animal longe de sua propriedade.

Características

Como criar pombos?

No Brasil não há nenhum tipo de regulamentação que faça a proibição quanto à criação de pombos em casa ou na zona rural.

Por isso, ao decidir criar um pombo é essencial identificar a sua origem, sendo indicado procurar um estabelecimento confiável que faça a comercialização do animal.

Afinal, os pombos da cidade e até alguns silvestres podem transmitir doenças ao ser humano e até outros animais.

Em seguida, é essencial construir um ambiente que seja possível de ser higienizado e limpo todos os dias.

Só assim esta espécie ficará longe de micro-organismos e doenças que podem ser transmitidas para os seres humanos.

Ou seja, é essencial evitar qualquer tipo de acumulo de fezes e alimentos na parte interna e externa da gaiola.

A gaiola precisa conter local para fazer alimentação, o bebedouro e bandejas de excrementos.

Para cuidar do animal dentro de casa é necessário ter duas gaiolas. Um deve ficar na parte externa da casa e deve ter no mínimo 15 cm² de largura e 20 cm de altura.

O viveiro que precisa ser usado na parte interna da casa deve ter espaço suficiente para o animal manter seu bem estar.

Uma dica é não ter nas gaiolas algum tipo buraco ou fresta para evitar qualquer tipo de fuga.

Além disso, é essencial ter algum tipo de revestimento no chão da gaiola para o pombo andar.

Também é essencial deixar a gaiola em um ambiente que seja iluminado, mas que não deixa o animal em contato com os raios solares.

No período da noite é essencial usar um pano para cobrir a gaiola para não comprometer a saúde e o bem estar do animal que precisa de descanso.

E mais, se devem fazer inspeções no animal semanalmente para ver se existe algum tipo de anomalia nas penas, pele e bico do animal.

Caso ser identificado algum tipo de comportamento, anomalia, ferimentos ou alteração de aparência é preciso ir até o veterinário.

A intenção é descartar que seja qualquer tipo de doença que pode ser transmissível para o seu dono, na medida em que grande parte são animais considerados bastante sensíveis.

Vale lembrar que existem algumas espécies que conseguem sobreviver apenas dentro de casa.

Outras espécies também precisam de companhia e, por isso, é indicado ter um pombo fêmea e macho.

Considerações finais

Até o momento aqui no Brasil não foi aprovado nenhum tipo de Lei do nível federal que faça a proibição de criar pombos.

O que existe são leis que proíbem matar esta espécie de animal na zona rural e também urbana de grandes e pequenos centros.

Porém, antes de criar este animal dentro de casa ou em fazendas é essencial verificar a legislação estadual e municipal.

Existe grande possibilidade de ter leis que proíbem a sua criação doméstica como forma de prevenção há algum tipo de doença ou zoonose.

O cenário também demonstra que ao decidir criar um pombo se deve ter responsabilidade, uma vez que este animal exige cuidados especiais para não se tornar um perigo para o criador e toda sociedade.

Desse modo, o criador precisa ter a consciência de cuidar de um pombo pode requerer gastos e até tempo maior de dedicação para manter a saúde do pet.

Ainda são necessários cuidados especiais, pois ainda não foi encontrado nenhum tipo de solução para não haver transmissão de doenças entre pombos e seres humanos.

Nesse caso em especial é extremamente necessário, visto que o animal é transmissor até da gripe aviária. Doença que já chegou matar pessoas ao redor do mundo.

Outros pássaros para você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *