Ema

Ema

A fauna mundial é composta de muitas espécies, cada uma possui uma particularidade e também há muitas semelhanças.

Você, com certeza, já viu um animal que se parece muito com um avestruz, com longas pernas, esta é a chamada de Ema.

A ema que na ciência tem o nome de Rhea americana, também recebe o nome em diversas regiões do Brasil como: nandu, guaripé, entre outros.

Ela é uma ave da família Rheidae que são especialmente nativas da América do Sul, uma característica muito marcante nessa ave é que sua espécie é incapacitada de voar.

Nesse artigo, trará mais informações sobre a ema que é um animal bastante curioso. Confira!

Ema

Onde é possível encontrar Ema?

É possível encontrar a ema na América do Sul e em alguns países como, por exemplo: o Brasil, Argentina, Uruguai e Bolívia.

No Brasil, a ema pode ser encontrada nas cinco regiões do Brasil, tendo sua maior concentração na Região Centro-Oeste, mais especificamente no estado de Mato Grosso do Sul.

Para achá-las, basta procurar em regiões como o Cerrado que possuem campos e grandes áreas com cultivo de soja e que também possuam corpos d’água, onde permanecem vivendo no seu habitat com nenhuma ou pouca interferência humana.

Ema

Características da ave

A ema é um animal com características peculiares, por isso, selecionamos nesse artigo algumas delas.

  1. Possuem um longo pescoço que ajuda a caçar sua presa. Ela também possui longas pernas, o que proporciona ganho de velocidade quando necessário;
  2. A ema macho possui em média 170 cm e a fêmea 134 cm de altura, lembrando que a ema é considerada a maior ave brasileira. Quando alcança a idade adulta, pode chegar até 2 metros de comprimento;
  3. A ema macho pode pesar até 35 g e a fêmea até 32 kg;
  4. Para saber diferenciar a ema macho da fêmea basta atentar para as seguintes diferenças: O macho possui o pescoço mais grosso e com o tórax e parte do dorso com plumagens mais escuras. Já a da ema fêmea possui uma plumagem cinza mais clara;
  5. Por não conseguirem voar, quando elas se sentem ameaçadas, fogem em alta velocidade, que pode chegar até 60 km/h, e com passos que chegam a 1,5 m;
  1. Elas correm no modelo de ziguezague, no momento da corrida, suas asas fazem um movimento alternado que mesclam o levantar e o abaixar, isso lhes proporciona equilíbrio fazendo com que possam mudar de direção, mais raramente elas também correm em linha reta;
  2. No período de incubação, quem se responsabiliza é o macho e cabe a ele também cuidar dos filhotes.
  3. Vive sempre em grupos, com diferentes idades entre si, geralmente, estão em grupos de 5 a 30, mas podem chegar a um número bem alto.

A ema possui um número de predadores um pouco longo como, por exemplo, o lobo-guará, a onça-pintada, algumas espécies de gaviões, o lagarto teiú, entre outros que mesmo não fazendo parte de sua cadeia alimentar, atacam a ema e a ferem.

Um cenário triste é que por conta da caça e do comércio de sua pele, e de outras interferências do ser humano, a União Internacional de Conservação da Natureza (IUSN), já classificou a ema como um animal na categoria de quase ameaçada.

Ema

Como criar uma ema?

Por se tratar de um animal silvestre é essencial ter autorização de órgãos ambientes internacionais, inclusive, é preciso procurar o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

Dessa maneira, ao desejar criar uma ema é essencial ter autorização para criar e, quem sabe, até comercializar esta ave.

Ao criar esta espécie em cativeiro é preciso promover um espaço saudável, limpo e higienizado diariamente.

Quem desejar criar este animal é importante ter a consciência que por se tratar de um animal silvestre, a ema precisa de cuidados diários específicos, requerendo certo tempo de dedicação.

Além disso, é essencial realizar gastos financeiros para manter sua saúde e bem-estar deste pássaro, principalmente por estar entre o convívio de seres humanos que retiram do seu habitat natural.

Vale lembrar que é muito difícil se obter a autorização para criar um pássaro que é tão raro, possuindo hábitos característicos e especiais.

Por isso, quem desejar cuidar do animal precisa encontrar criadores autorizados pelos órgãos ambientais para, dessa forma, adquirir uma espécie.

No geral, estes criadores não podem fazer a comercialização destes animais nascidos em cativeiros, porém, eles conseguem doar os filhotes desde que os órgãos ambientais sejam previamente comunicados.

Para facilitar neste processo é essencial se direcionar até o IBAMA ou algum órgão ambiental mais próximo da sua cidade.

Estes órgãos mantém uma lista atualizada constantemente com todos os criadores autorizados dentro do território brasileiro.

As vantagens de se procurar por um criador de animal silvestre autorizado são:

  • Não vai incentivar o tráfico nacional e internacional de animais;
  • Conseguirá ter a garantia de que o animal possui boa saúde;
  • Terá um animal mais acostumado com o convívio humano.

É importante situar que os criadores autorizados pelos órgãos ambientais adquiriram seus animais por conta do estado de saúde debilitado após fiscalizações de combate a tráfico ilegal de animais selvagens.

Ema

Alimentação

É possível dizer que a alimentação da ema é bem leve, elas pastam lentamente e com calma.

Por se tratar de uma espécie onívora, sua dieta é em grande parte bem simples, uma vez que desde filhotes a adultos, elas se alimentam de sementes, folhas e frutos, soja, milho, de insetos, moluscos terrestres, e de pequenos animais como: lagartixa, rãs, cobras e peixes.

Algo interessante na sua alimentação, é que elas engolem pedrinhas e outros objetos, que irão ajudá-las no processo de trituração e digestivo.

reprodução ema
Foto: Reprodução.

Reprodução da Ema

Os meses de reprodução das emas vão de julho a setembro, podendo se estender até outubro.

Neste período, os grupos de emas se dividem e, por consequência, terminam por formar pequenos bandos.

Inclusive, nessa época é possível notar não só um aumento de agressividade por parte dos machos como também o seus métodos, onde eles fazem de tudo para chamar a atenção das fêmeas, usando movimentos que se assemelham a uma dança que é basicamente a abertura excessiva das asas e o canto.

Os machos dessas espécies possuem várias parceiras, chegando até 06 fêmeas. Estas também irão acasalar com outros machos. Após o acasalamento, o macho tem uma grande responsabilidade que é a de construir os ninhos que irão aguardar as fêmeas depositarem os ovos.

Já os machos que promovem o processo de chocar os ovos também são uma média de 26 a 56 ovos, sendo que como cada macho acasala com 06 fêmeas, cada uma põe por volta de 05 ovos.

O processo de incubação pode durar cerca de 30 a 41 dias. Outra tarefa do macho é a cada 24h virar os ovos para fazer com que eles possam ser chocados perfeitamente.  Depois do processo de postura dos ovos, as fêmeas passam a acasalar com outros machos que irão gerar mais ovos.

Ema

Canto da ema

Algo que chama a atenção no que diz respeito ao processo de reprodução é o canto dos machos, esse canto consiste em um urro potente, que lembra o de um grande mamífero, como, por exemplo, de um boi. Eles podem vocalizar por muito tempo, algo que pode durar várias noites.

Por sua vez, quando filhotes, eles emitem sons que se assemelham a assobios com desenhos melódicos.

A ema é um animal que merece além de atenção, uma proteção contra a biopirataria, é importante conhecer sobre a espécie e preservá-la em seu habitat natural.

Considerações finais

Na área da ciência, a espécie desta ave é catalogada e também chamada de Rhea americana, em inglês é chamada por Greater Rhea.

Por sua vez, a ema também possui 05 subespécies já conhecidas pela ciência, são elas:

  • Rhea americana americana: Costuma frequentar seu habitat no Brasil, nos estados do Maranhão, Rio Grande do Norte, São Paulo e Paraná;
  • Rhea americana intermédia: Costuma frequentar seu habitat no Uruguai e também no Brasil, nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul.
  • Rhea americana albescens: Costuma frequentar seu habitat na Argentina;
  • Rhea americana araneipes: Costuma frequentar seu habitat no Paraguai, Bolívia, e no Brasil em Rondônia até o estado de Mato Grosso do Sul;
  • Rhea americana nobilis: Costuma frequentar seu habitat no Paraguai.

A ema é conhecida popularmente por ser um grande pássaro que pertence a América do Sul.

Logo, o seu nome científico foi desenvolvido a partir desta sua fama, na qual rhea vem do grego que significa a grande mãe. Em contrapartida, americana ou americanus faz referencia ao continente da América do Sul.

O interessante é que a ave é muito apreciada no Brasil, uma vez que há musicas e poemas que chegam citar a ema.

Desse modo, a ema é um pássaro que faz parte do folclore e também da cultura brasileira.

Por conta disso, é essencial preservar este animal em seu devido habitat natural, na medida em que vem sofrendo com o desmatamento das matas, florestas e savanas do Cerrado brasileiro.

O Cerrado brasileiro vem sendo nos últimos anos devastado pela agricultura que recentemente descobriu que a região é produtiva para o plantio de grãos.

Com efeito, a ema está tendo o seu ambiente natural devastado e até está diminuindo.

Além disso, também existe a caça predatória ilegal que entra em seu  habitat natural em busca de carne, pele, penas e até ovos.

Este cenário é comprovado por todos os ativistas e órgãos ambientais que defendem o animal.

A preocupação é justificável, pois conforme o último levantamento, da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), a ema está no estado de “quase ameaçada” de extinção.

 

Outros pássaros para você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *